top of page
  • Foto do escritorIraildon Mota

Globo demite mais de 40 jornalistas: Entenda o porquê e as consequências

Fábio Turci, Giulianna Morrone, Márcia Witczak e Fábio William são demitidos da Globo (Reprodução: Globo)


Nos últimos anos, as demissões em massa têm sido uma triste realidade nos meios de comunicação em todo o mundo. No Brasil, a TV Globo não escapou desse cenário, com centenas de jornalistas, produtores e outros profissionais sendo dispensados em meio a uma crise econômica e mudanças estratégicas nas empresas.


A Globo fez uma "limpa" entre demitidos e quem optou em sair por conta própria, até aqui constam quase 40 jornalistas que deixaram a emissora. Segundo consta, as demissões ocorrerão até maio de 2023. No final desse artigo tem a relação completa.


Embora a economia seja um fator importante nessas decisões, as demissões em massa também têm sido criticadas por especialistas em comunicação e pelo público em geral por seu potencial impacto negativo na qualidade do jornalismo e na sociedade como um todo.


O jornalismo é uma atividade fundamental em qualquer sociedade democrática. É através dele que os cidadãos se informam sobre o mundo ao seu redor e têm acesso às informações necessárias para tomar decisões informadas sobre suas vidas. Além disso, o jornalismo é um dos principais meios pelos quais as pessoas podem monitorar as ações do governo, da indústria e de outras instituições poderosas.


No entanto, para que o jornalismo seja eficaz, ele precisa ser de alta qualidade. Isso significa que os jornalistas precisam ter acesso a informações precisas e relevantes, ter tempo suficiente para pesquisar e apurar fatos, e ter as habilidades necessárias para analisar e interpretar essas informações. Além disso, os jornalistas precisam ser capazes de transmitir essas informações de forma clara, objetiva e imparcial.


As demissões em massa podem afetar a qualidade do jornalismo de várias maneiras. Em primeiro lugar, quando as empresas reduzem drasticamente sua equipe de jornalismo, elas geralmente cortam os jornalistas mais experientes e qualificados, mantendo apenas aqueles que têm salários mais baixos ou menos experiência. Isso pode levar a uma perda de conhecimento e expertise dentro da empresa, o que pode afetar negativamente a capacidade dos jornalistas de apurar fatos e fornecer informações precisas e relevantes.

Além disso, as demissões em massa podem levar a uma sobrecarga de trabalho para os jornalistas restantes. Com menos pessoal para cobrir as notícias, os jornalistas que permanecem muitas vezes precisam assumir mais responsabilidades, cobrindo vários tópicos e trabalhando longas horas para atender aos prazos. Isso pode levar à fadiga, ao estresse e à possibilidade de erros e imprecisões nas informações divulgadas.


Por fim, as demissões em massa podem ter um impacto negativo na diversidade de perspectivas e opiniões apresentadas no jornalismo. Quando as empresas reduzem drasticamente sua equipe de jornalismo, elas geralmente optam por manter os jornalistas que compartilham de uma visão de mundo semelhante à da empresa. Isso pode levar a uma homogeneização das perspectivas apresentadas nas notícias, limitando a diversidade de opiniões e a capacidade do público de ter uma visão completa e precisa dos eventos em questão.


Diante desse cenário, é importante que as empresas de mídia levem em consideração não apenas as considerações financeiras, mas também o impacto de suas decisões no jornalismo e na sociedade como um todo.


DEFINITIVAMENTE, DEMITIR NÃO É A SOLUÇÃO


Definitivamente, a demissão em massa não é a solução para garantir um bom jornalismo. Embora as empresas possam ser confrontadas com desafios financeiros, a demissão em massa de jornalistas e outros profissionais da mídia não é a única opção disponível.


Há outras medidas que podem ser tomadas para ajudar as empresas a superar dificuldades financeiras sem comprometer a qualidade do jornalismo. Por exemplo, as empresas podem implementar estratégias de redução de custos que não envolvam demissões em massa, como a reorganização de suas operações, a renegociação de contratos, a redução de gastos com publicidade ou a reestruturação de sua estratégia de negócios.


Além disso, as empresas podem procurar maneiras de gerar novas fontes de receita, como a diversificação de suas operações para além da mídia tradicional. Muitas empresas de mídia, por exemplo, estão investindo em plataformas digitais e em serviços de assinatura para compensar a queda nas receitas publicitárias.


A demissão em massa também pode prejudicar a credibilidade das empresas de mídia e sua reputação entre o público. Afinal, os jornalistas são a espinha dorsal da indústria da mídia e sua demissão pode minar a confiança do público na qualidade e imparcialidade das notícias divulgadas.


Além disso, a demissão em massa também pode levar a uma perda de diversidade e inclusão na redação, o que pode levar a uma visão menos pluralista dos eventos em questão. É importante que as empresas de mídia se esforcem para manter uma equipe diversificada e inclusiva, representando uma ampla variedade de perspectivas e experiências para garantir uma cobertura justa e precisa das notícias.


Em resumo, a demissão em massa não é uma solução para garantir um bom jornalismo. As empresas de mídia precisam procurar outras maneiras de reduzir custos e gerar receita sem comprometer a qualidade do jornalismo ou minar a confiança do público. Além disso, as empresas de mídia devem se esforçar para manter uma equipe diversificada e inclusiva, para garantir uma cobertura justa e precisa das notícias.


JORNALISTAS DEMITIDOS DA GLOBO


A mais recente baixa trata-se da jornalista Giuliana Morrone, medalhão da emissora por 28 anos. Os repórteres Eduardo Tchao, Mônica Sanches e Marcelo Canellas também entraram na lista de cortes.


O diretor artístico do Fantástico Jorge Espírito Santo, conhecido como Jorjão, e o repórter investigativo Arthur Guimarães também estão fora do casting. Também entraram nos cortes Marcos Serra Lima, Alba Valéria Mendonça e Rodrigo Melo, que atuavam no portal G1, além de Alexandre Oliveira, André Hernan e Alberto Gaspar.


Fábio William, que apresentava, diariamente, o DF1, e esporadicamente o Bom Dia Brasil e Jornal Hoje, deixa a Globo após 27 anos. Márcia Witczak, com 25 anos de casa, também está foi desligada da empresa.


Foi ela a idealizadora do projeto Brasília Independente, que abriu espaço na mídia tradicional para novos artistas da capital federal.


Arthur Guimarães, Marcos Serra Lima, Alba Valéria Mendonça, Rodrigo Melo e Marcia Correa, editora-chefe do Bom Dia São Paulo, foram demitidos hoje. No Distrito Federal, o canal também dispensou Lúcia Carneiro (Globo News).



Kommentare


bottom of page